PatoBranco.com

PF indicia 63 alvos da Carne Fraca e boa parte é do Paraná. Veja a lista

Publicado em: 17/04/2017 08:05

A Polícia Federal indiciou 63 alvos da Operação Carne Fraca, por crimes de corrupção, concussão, prevaricação, formação de organização criminosa e crime contra a saúde pública.

Os alvos são funcionários do Ministério da Agricultura em Curitiba (PR) e Londrina (PR) e em Goiás, donos de frigoríficos e empresas de alimentos processados e executivos, entre eles nomes da JBS e da BRF.

O relatório parcial do caso foi entregue no sábado pelo delegado Maurício Grillo Moscardi, para o juiz federal Marcos Josegrei da Silva.

Comandada por três delegados da PF, em Curitiba, a equipe da Carne Fraca - deflagrada em sete Estados - apontou esquema criminoso de indicações políticas, em cargos chaves do Ministério da Agricultura, em especial no Paraná e Goiás, que tinha como contrapartida a obrigação de arrecadar propinas para partidos como PMDB, PP e PDT com empresários do setor de carnes e embutidos.

"Após a deflagração da denominada operação 'Carne Fraca', o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no sentindo de corroborar com as investigações da Policia Federal implementou no âmbito de suas atribuições, uma força tarefa com a finalidade de fiscalizar as empresas indicadas como suspeitas da prática de crime contra saúde pública", registra o relatório de indiciamento.

As análises de alimentos produzidas pelo Ministério da Agricultura, nas 21 empresas alvos da Carne Fraca, que apontam adulteração em produtos, bem como os grampos que revelam tratativas dos empresários com os fiscais para liberar cargas de produtos enviados para China, Espanha e Itália, foram entregues ao juiz.

"O procedimento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento visava constatar análises de fraude e risco sanitário", informou o delegado.

No relatório, os crimes foram separados por alvos e também houve individualização de conduta por unidades alvos da operação. "Tal medida permitirá esclarecer de maneira técnica, na sequência dos fatos relatados, as fraudes e crimes contra saúde pública comprovadas das análises periciais realizadas nas amostras colhidas tanto pelo Ministério da Agricultura, quanto pela Policia Federal." perderia também seis vagas na Assembleia, que passaria de 30 para 24 parlamentares.

Entretanto, em 18 de junho de 2014, o Supremo Tribunal Federal , ao analisar ações que questionavam a alteração realizada por meio da resolução do TSE, julgou inconstitucionais a Lei Complementar 78/1993 e a resolução do tribunal eleitoral, concluindo que não seria competência do órgão legislar, e sim promover a normatização da legislação eleitoral.

Para o STF, o ajuste no número de cadeiras na Câmara, conforme determinação constitucional, só poderia se dar por meio de Lei Complementar de autoria do próprio Congresso.

A atualização pode ser feita agora através do projeto em discussão no Senado, que teve a votação adiada para esta semana pela CCJ da Casa. "Sem a compatibilização do número de representantes com o total de representados, a votação de importantes matérias fica prejudicada, abalando-se as estruturas basilares do sistema representativo brasileiro", alega o senador Flexa Ribeiro, autor da proposta.

Veja os indiciados

Alessandra Klass Guimarães Martins

Alice Mitico Nojiri Gonçalves - Esposa de Daniel Gonçalves Filho, atua na parte de lavagem de capitais dos valores ilícitos recebidos pelo marido, segundo a PF

Andre Luis Baldissera - Diretor da empresa BRF (BR FOODS S/A)

Antonio Garcez da Luz - Fiscal federal agropecuário

Arlindo Alvares Padilha Junior - Agente de Polícia Federal, lotado em Foz do Iguaçu

Brandízio Dario Junior - auditor fiscal federal agropecuário

Carlos Cesar - Agente de inspeção federal

Celso Dittert de Camargo - agente de inspeção

Charlen Henrique Saconatto - auditor fiscal federal agropecuário

Daniel Gonçalves Filho - Fiscal agropecuário e atuou como Superintendente Regional do MAPA

Daniel Ricardo dos Santos

Dinis Lourenço da Silva - Fiscal federal agropecuário

Edson Luiz Assunção - Fiscal Federal Agropecuário

Eduardo Vilela Magalhães

Fábio Zanon Simão - Advogado

Fabiula de Oliveira Ameida

Flavio Evers Cassou - Funcionário da empresa Seara Alimentos Ltda

Francisco Carlos de Assis - Médico veterinário e fiscal federal agropecuário

Frederico Augusto de Azevedo Lima - Sócio nas empresas Curtume Centro Oeste Ltda e Gaia Curtume Ltda

Gercio Luis Bonesi - Fiscal federal agropecuário

Gil Bueno de Magalhães - Fiscal federal agropecuário

Heuler Iuri Martins - assessor parlamentar

Idair Antonio Piccin - Um dos proprietários da empresa Produtos Frigoríficos Peccin Ltda

Ines Lemes Pompeu da Silva

José Antonio Diana Mapelli

José Eduardo Nogalli Giannetti - Representante do grupo PECCIN

José Nilson Sacchelli Ribeiro - empresario

Josenei Manoel Pinto - Agente de inspeção sanitária

Juarez José de Santana - Chefe da unidade técnica regional de agricultura de Londrina

Julio Cesar Carneiro - Superintendente do Mapa em Goiás

Kelli Regina Marcos

Laercio José Brunetto

Lauro João Lobo Alcantara

Lucimara Honorio Carvalho

Luiz Alberto Patzer - agente de inspeção

Luiz Carlos Zanon Junior - Fiscal federal agropecuário lotado na Unidade Técnica Regional de Agricultura de Londrina

Mara Rubia Mayorka

Marcelo Zanon Simão

Marcos Cesar Artacho

Maria do Rocio Nascimento - Médica veterinária, fiscal federal agropecuária, e chefe do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa).

Nair Klein Piccin - Sócia da empresa Produtos Frigoríficos Peccin Ltda

Nazareth Aguiar Magalhães - auditora fiscal federal agropecuário

Nilson Alves Ribeiro - empresário

Nilson Umberto Sacchelli Ribeiro - Empresário, dono da empresa Frigobeto

Normélio Peccin Filho - Um dos proprietários da empresa Produtos Frigoríficos Peccin Ltda

Paulo Rogério Sposito - Proprietário do Frigorífico Larissa Ltda

Rafael Nojiri Gonçalves - Filho de Daniel Gonçalves Filho, atua na parte de lavagem de capitais dos valores ilícitos recebidos pelo pai, segundo a PF

Renato Menon - Fiscal federal agropecuário

Roberto Borba Coelho Junior

Roberto Brasiliano da Silva - é ex-assessor parlamentar do ex-deputado pecuarista José Janene

Roberto Mülbert

Ronaldo Sousa Troncha

Roney Nogueira dos Santos - Gerente de relações institucionais e governamentais da empresa Brasil Foods

Sebastião Machado Ferreira - Agente de inspeção sanitária e industrial de produtos de origem animal

Sérgio Antonio de Bassi Pianaro - Agente de inspeção sanitária

Sidiomar de Campos

Silvia Maria Muffo

Sonia Mara Nascimento

Sylvio Ricardo D'almas

Tarcisio Almeida de Freitas - Agente de inspeção sanitária

Valdecir Belacon

Vicente Claudio Damião Lara

Welman Paixão Silva Oliveira - Médico veterinário


Organização criminosa agia dentro do Mapa-PR

Segundo o delegado Maurício Grillo Moscardi, "as investigações demonstraram a existência de uma verdadeira organização criminosa atuante no Mapa/PR, composta por servidores do órgão e empresários sob fiscalização".

Os policiais trabalham na conclusão do cruzamento de dados das quebras de sigilos bancários e fiscais dos investigados - ainda não tornadas públicas - e dos 13 mil grampos telefônicos e telemáticos feitos em 2016, com o material apreendido nas buscas.

São 195 malotes carregados de documentos, agendas, anotações, provas que estão sob análise. Por isso, o relatório ainda é parcial e será aumentado.

"As interceptações telefônicas, diligências de campo e laudos periciais evidenciam diversos atos de corrupção e concussão, bem como a associação entre diversas pessoas para atender interesses específicos, tanto das empresas - facilitação em fiscalizações, substituição de fiscais indesejados, agilidade em procedimentos, aprovação de práticas irregulares, assinatura de certificados de remessas de cargas nacionais e internacionais sem a presença do Fiscal, etc - quanto dos servidores, tanto no recebimento de valores como na manutenção em determinados postos estratégicos ou ascensão a cargos superiores."

Fonte: Bem Paraná
Foto: Reprodução

Foto

Notícias Relacionadas