PatoBranco.com

Parque Tecnológico de Pato Branco desenvolve projetos inovadores por meio da incubação

Publicado em: 17/04/2017 13:40

Pato Branco conta com o Parque Tecnológico, estrutura que abriga e desenvolve projetos inovadores. Destaque para as 33 empresas incubadas e pré-incubadas, boa parte resultado de pesquisas iniciadas em cursos de graduação e que, a partir do incentivo e fomento oferecido pelo Município, estão obtendo perspectivas de crescimento e de inserção no mercado. O prazo inicial de incubação é de dois anos, onde as empresas recebem infraestrutura e consultorias que auxiliam tanto no aprimoramento dos produtos, como na gestão dos futuros negócios.

Basta percorrer o Parque Tecnológico para perceber a variedade dos projetos, pois as empresas incubadas abrangem diversas áreas, atendendo a demanda tecnológica que tende a crescer cada vez mais. As opções transitam pela química, tecnologia da informação, agronegócio, comunicação, eletroeletrônica, entre outras.

Conforme o secretário municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação, Géri Natalino Dutra, Pato Branco dispõe de um ambiente universitário que oportuniza a formação de profissionais de várias áreas, em que a incubadora é reflexo disso. "O Município quer que esses profissionais desenvolvam suas ideias e as transformem em novos empreendimentos, gerando novos produtos e novas oportunidades para a comunidade", avalia.

Géri evidencia, ainda, que produtos inovadores têm prospecção de mercado mesmo em momentos de crise. "O Município procura fazer o máximo possível para que tenhamos empresas de produtos de base tecnológica de alto valor agregado, criados pelos nossos jovens. Assim, nos mantemos na vanguarda do desenvolvimento tecnológico", reforça.

Entre a ideia e a oportunidade

Para desenvolver soluções criativas e inovadoras, é preciso estar atento à realidade local e às demandas de mercado: é justamente isso que os projetos inseridos na Incubadora Tecnológica Municipal de Pato Branco mostram à sociedade. Exemplo disso é Sidney Gaspari, graduado em Engenharia da Computação, que juntamente com o amigo Josimar Tumelero, graduado em Engenharia Elétrica, ambos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), desenvolveu equipamentos para a área da agricultura de precisão. Eles criaram um monitor e um sensor para monitorar o plantio de grãos. Essas soluções geralmente possuem um alto valor, tornando-as de difícil acesso para pequenos produtores. O que os jovens fizeram foi, justamente, baratear o produto.

"Existem vários monitores sendo comercializados atualmente, porém, com um custo muito elevado de preço, não estando ao alcance do perfil da maioria dos produtores rurais", explica Josimar. "Logo, nosso desafio foi desenvolver algo eficiente e com valor mais acessível para os pequenos produtores", completa. O monitor de plantio realizará o controle da área plantada, evitando, por exemplo, que algumas linhas fiquem sem sementes, por ocorrer falha da queda de grãos por mau funcionamento.

Outro equipamento agrícola criado pela dupla é um abridor de meia plantadeira, que substitui o braço mecânico do equipamento, possibilitando que o operador o desligue de dentro da cabine - solução de suma importância para a nossa região, onde a geografia é bastante acidentada. "Esta é uma necessidade de mercado. Há algo do gênero, mas a qualidade não é satisfatória. Então, construímos um aparelho melhor e este já atinge, também, um público maior. Para quem possui plantadeira, independente de ter ou não o monitor, esse produto vai agregar e contribuir na hora do plantio", diz Sidney.

Da paixão por tecnologia e vídeo games, surgiu outro empreendimento. Juan Souza é apaixonado por games e, juntamente com seu sócio, está desenvolvendo uma máquina de fliperama que, no design, se assemelhará às antigas, mas que internamente os hardwares e softwares serão atuais. "De início, nossa pretensão é disponibilizar as máquinas com jogos antigos que não possuem mais direitos autorais. Em paralelo, também temos o intuito de desenvolver um aplicativo para troca de jogos e, futuramente, desenvolvermos jogos", explica Juan.

Ele explica que o setor de games está em expansão no Brasil, sendo que o país ocupa o quarto lugar, em escala mundial, enquanto consumidor de games, consoles e tecnologias de jogos. "Nossa proposta é resgatar, trazer da década de 1990 esse hábito dos fliperamas, mas acompanhando as novas tecnologias disponíveis, pois são elas que irão emular os jogos. O público será tanto as pessoas com mais de 30 anos, quanto as crianças, sendo que o objetivo é a venda diretamente ao consumidor e a empresas, mas também queremos participar de feiras demonstrando o produto", conta Juan.

Atividades rotineiras também podem inspirar soluções inovadoras que, ao saírem do papel, facilitam o dia a dia das pessoas. Lucas Messias é técnico em automação e sabe disso. Ele está desenvolvendo uma plataforma para elaboração de listas de compras de supermercado. "As pessoas poderão baixar o aplicativo gratuitamente no seu smartphone ou tablet e, assim, fazer suas listas de compras, que poderão ser compartilhadas com outras pessoas, como o cônjuge, os filhos ou com quem divide compras de mercado. Quanto mais houver a utilização do aplicativo, mas dados serão armazenados e, gradativamente, o perfil de compra será construído para que a lista informe quando um item precisa ser novamente comprado", destaca Lucas.

A partir disso, Lucas explica que também será possível fidelizar clientes de determinado supermercado, ou seja, com base no perfil de compra, os supermercados poderão enviar as ofertas de interesse ao cliente pelo aplicativo. "Nossa ideia principal é aproximar as pessoas do mercado, fazendo com que o mesmo possua um novo meio de comunicação com os clientes. Já os consumidores, em contrapartida, além de ficarem sabendo das ofertas, ainda terão controle sobre suas listas de compras, pois o papel é geralmente descartado. No aplicativo, a lista ficará salva, possibilitando a verificação do consumo e dos gastos", ressalta.

A incubação é um diferencial

Para Sidney, estar incubado é uma vantagem competitiva, pois o ambiente existente no Parque Tecnológico oferece uma estrutura organizada para facilitar o desenvolvimento dos projetos. "Recebemos treinamento, palestras e, ainda, o apoio da equipe do Parque Tecnológico, que também nos auxilia nas questões mais administrativas e burocráticas", avalia.

Juan enfatiza a incubação como um importante apoio na gestão da empresa. "Não nascemos empresários, mas temos uma ideia e queremos desenvolvê-la para chegarmos ao melhor resultado. A incubação nos oportuniza a fazer a coisa certa, pois fornece instrução nos setores administrativo, financeiro, fiscal, entre outros. Significa termos todo o suporte para construirmos nossa empresa e, no dia em que sairmos daqui, estaremos um passo à frente", pontua.

Já Lucas vê a incubação como um diferencial da empresa que ainda não está totalmente desenvolvida; uma etapa fundamental antes de iniciar a fase de comercialização do produto. "A incubadora é um lugar que propicia visibilidade. Ter este espaço significa estar inserido no ambiente tecnológico, buscando parcerias, conseguindo divulgação e apoio para desenvolver a ideia com tranquilidade e segurança, para então buscar clientes", conclui.

Como me torno um incubado?

A Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pato Branco disponibiliza edital de fluxo contínuo para o processo seletivo de ingresso na Incubadora Tecnológica Municipal. Para acompanhar os processos, basta acessar o endereço http://smcti.patobranco.pr.gov.br, ou entrar em contato pelo (46) 3220 - 6080.

Fonte: Departamento de Comunicação Social do Município de Pato Branco
Foto: Assessoria de Imprensa

Foto

Notícias Relacionadas