PatoBranco.com

Cervejarias Artesanais do Paraná participam de encontro de negócios

Publicado em: 11/08/2017 16:41

Um grupo de 22 produtores de cervejas artesanais de diversas regiões do Paraná e 44 compradores de Curitiba e Região Metropolitana participaram nesta quinta-feira (10), do 1º Encontro de Negócios das Cervejarias Artesanais do Paraná, realizado no Salão de Eventos do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. Promovido pelo Sebrae/PR e a Associação das Microcervejarias do Paraná (Procerva), o evento teve como objetivo aproximar quem vende e quem compra para gerar negócios e esclarecer dúvidas sobre os produtos e mercado.

Segundo Michele Riquetti Tesser, consultora do Sebrae/PR, o encontro também serviu para ressaltar as diferenças em relação à cerveja convencional, como por exemplo, o custo. "A ideia foi difundir a cultura cervejeira artesanal no Paraná e mostrar ao mercado que existe um valor agregado no produto. Essas diferenças nem sempre são percebidas por quem desconhece o segmento e estão ligadas à qualidade dos insumos utilizados na produção e à não utilização de aditivos à base de arroz e milho, essências e estabilizantes artificiais. Estes fatores são preponderantes para conferir ao produto uma qualidade diferenciada", disse.

Michele ressaltou que a cerveja artesanal também oferece uma rica variedade de estilos com diferentes limites de teor alcoólico, amargor e cores. "Tudo isso torna o produto democrático, adaptando-se ao gosto de diferentes perfis de consumidores. Por este motivo o mercado da cerveja artesanal é bastante atrativo e com potencial para crescer", completou Michele.

Segundo dados do Sebrae, desde 2010 o segmento vem passando por crescimento substancial no Brasil, mas ainda representa apenas 1% do mercado consumidor de cerveja. Nos Estados Unidos, por exemplo, as cervejas artesanais representam 17% do consumo total. Em 2016, existe o registro de 522 indústrias produtoras operando no Brasil, estima-se que hoje já são mais de 610.

"O mercado está bastante aquecido, em expansão, e as informações que temos é de um crescimento de 20% ao ano. E isso gerou demandas para formalizar e profissionalizar o setor, geralmente formado por micro e pequenas empresas com pouca experiência de mercado e de gestão. O Sebrae/PR já mapeou os produtores locais, está organizando suas ações e este foi um primeiro evento no sentido de gerar negócios para movimentar o segmento no Estado", informou a consultora.

No Paraná, as cervejarias estão distribuídas por todas as regiões. São cerca de 50 indústrias formalizadas, mas a cada dia novas empresas estão chegando ao mercado. A maior densidade de fabricantes se concentra em Curitiba e Região Metropolitana, 65%, e também, nos Campos Gerais. Há polos cervejeiros também no norte, no sul e na região oeste do Paraná, com relevância e tradição no ramo.

Para o presidente da Procerva, Richard Buschmann, o encontro de negócios foi uma oportunidade de mostrar aos representantes de pontos de venda a qualidade da cerveja artesanal, pontuar seus diferenciais e o valor agregado. Ele conta que foi fundamental apresentar aos compradores, muitos leigos no assunto, que os produtos artesanais utilizam uma quantidade maior de matéria-prima, que 90% dos produtos utilizados na fabricação são importados, que no preparo dos mais diferentes tipos de cerveja é feito uso de maltes, lúpulos e leveduras especiais, o que impacta no preço do produto.

"Além disso, eles viram que a alta carga tributária que incide sobre o produto, e que em alguns casos é 300% maior do que a aplicada às grandes indústrias, impacta no custo final. Eles conseguiram entender como é feita a precificação, os motivos de ser mais cara e isso fortaleceu um movimento que estamos planejando para pedir ao Governo Federal que reveja estes encargos que inviabilizam o crescimento do setor", justificou.

Diretor da Associação Paranaense de Supermercados (Apras), e também representante do Grupo Verde Mais, de Curitiba, Helton Parizotto, ficou satisfeito com o que encontrou na rodada. "O mercado cervejeiro é dinâmico e funciona em 360 graus, ou seja, precisamos avaliar a qualidade da bebida, dos fornecedores, a forma de consumo, o estilo da garrafa, entre outros aspectos. Analisar todo um conjunto de detalhes para decidir a compra. Aqui vimos várias tendências e como estamos sempre atentos às novidades, saímos daqui com muitas informações e novidades para nossos consumidores", afirmou.

Produtor da Cervejaria Fortuna, de Colombo, Região Metropolitana de Curitiba, Nelson Bakaus Júnior disse que está no setor há 18 meses. Cerca de 90% é consumido em Curitiba, mas seu produto já circula em Toledo, Ponta Grossa, Irati, Paranaguá e em Goiânia. "Estou sempre ampliando a clientela e de olho nas tendências e em inovação. Aqui ganhei tempo conhecendo compradores novos e apresentando dois lançamentos a alguns que já são clientes, fato que levaria pelo menos duas semanas de visitas. Também foi uma oportunidade de trocar informações com outros produtores e fechar parcerias. Uma delas vai facilitar a distribuição do meu produto nos Campos Gerais", comemorou.

Quem também elogiou o formato da rodada foi Frederico Koch, da Koch Bier, de Ponta Grossa, com apenas dois anos de operação. "O mix de compradores presentes foi muito interessante e permitiu ter contato com outros setores como hotéis, padarias, restaurantes, além dos pontos de vendas tradicionais como pubs e bares com quem já atuamos. E isso pode ampliar a minha clientela", destacou. Na região dos Campos Gerais fica a maior parte do consumo, 80%, mas a empresa também iniciou o fornecimento na capital e em Maringá, e com muito sucesso, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, que já representa 15% do faturamento total.

O Encontro de Negócios é uma parceria da Procerva com o Sebrae/PR, e faz parte da programação do Festival da Cultura da Cerveja Artesanal, que vai até este domingo (13/8), com diversas atrações. A programação completa, incluindo degustação, está disponível no site www.procerva.com.br.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Foto: Luiz Costa

Foto

Notícias Relacionadas