PatoBranco.com

Cinco argentinos e um belga estão entre os oito mortos de atentado em NY

Publicado em: 01/11/2017 06:16

Cinco dos oito mortos no atropelamento que aconteceu em Manhattan na tarde desta terça-feira (31) eram argentinos, segundo informações do Ministério de Relações Exteriores da Argentina, e um deles era uma mulher da Bélgica, segundo o chanceler do país, Didier Reynders.

I am deeply saddened to announce a belgian victim in #Manhattan - I express my condolences to the family and friends - didier reynders (@dreynders) 31 de outubro de 2017

Segundo o site do jornal argentino Clarín, os argentinos foram identificadas como Hernán Mendoza, Diego Angelini, Alejandro Pagnucco, Ariel Erlij e Hernán Ferruchi. Os homens tinham entre 45 e 50 anos de idade e faziam parte de um grupo de cerca de dez pessoas que estavam comemorando os 30 anos de formatura no Colégio Politécnico de Rosário. A belga, por sua vez, estaria com sua irmã e sua mãe.

Ao menos 11 ficaram feridas após o motorista de uma caminhonete atropelar ciclistas percorrendo quarteirões de uma ciclovia de Manhattan.

Como aconteceu o atentado

O incidente ocorreu às 15h05 a alguns quarteirões do prédio do World Trade Center, próximo ao rio Hudson. A caminhonete invadiu a ciclovia na West Street, e o motorista dirigiu no sentido sul da ilha atropelando as pessoas.

Ao deixar a ciclovia, o motorista bateu em um outro veículo --um ônibus escolar. Em seguida, desceu do carro com duas armas --posteriormente, a polícia viu que não eram armas verdadeiras, eram uma arma de paintball e uma arma de ar comprimido.

O suspeito, de 29 anos, foi baleado no abdome pela polícia e preso. Autoridades não irão identificar o autor do ataque em um primeiro momento --foi dito apenas que ele está hospitalizado. Mas, segundo a imprensa, o autor do ataque seria Sayfullo Saipov, de Tampa, na Flórida. Ele seria cidadão do Uzbequistão e teria chegado aos EUA em 2010.

Os investigadores evitaram informar sobre o que o homem falou no depoimento dado, mas destacaram que "com base no que ele falou, foi um ato terrorista". O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse que o atentado foi cometido por uma só pessoa, de acordo com os dados já obtidos na investigação.

Dois adultos e duas crianças que estavam no ônibus escolar ficaram feridos. Seis dos mortos, todos homens, morreram no local do atropelamento; duas vítimas morreram no hospital. O número de feridos pode aumentar, já que muitas pessoas deixaram o local sem atendimento médico.

"Com base na informação de que dispomos no momento, trata-se de um ato de terrorismo (...) particularmente covarde", disse o prefeito democrata durante entrevista coletiva, na qual lamentou "este dia muito doloroso para nossa cidade".

O governador disse ainda que o policiamento na cidade será reforçado. Ele também afirmou que não há outras ameaças à cidade relacionadas a este atentado no momento. A polícia confirmou que o desfile de Halloween da cidade será realizado apesar do atentado.

Trump sugere envolvimento do EI
Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque, mas o presidente do EUA, Donald Trump, publicou um tuíte citando o Estado Islâmico. "Nós não podemos permitir que o EI retorne, ou entre, em nosso país depois de ter sido derrotado no Oriente Médio e em outros lugares. Já chega".

Trump ainda disse que o ataque foi cometido por alguém "muito doente e perturbado" e garantiu que será punido com rigor pela lei norte-americana. "NOS EUA NÃO", finalizou ele.

We must not allow ISIS to return, or enter, our country after defeating them in the Middle East and elsewhere. Enough!
- Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 31 de outubro de 2017
O jornal "The New York Times" afirma que teriam sido encontradas anotações em árabe perto do veículo --elas indicariam a fidelidade do detido ao Estado Islâmico.

Segundo a imprensa americana, o suspeito ainda teria gritado "Deus é grande" em árabe. Questionada, a polícia disse que não comentará sobre as investigações. Segundo o SITE, portal de monitoramento dos jihadistas na internet, não há nenhuma "movimentação" nas comunicações entre os extremistas, o que indicaria que não há a coordenação de um ataque

Os primeiros relatos de testemunhas e da imprensa falavam em tiros disparados na região. A área da ocorrência foi isolada pelas forças de segurança, segundo imagens de redes de televisão locais.

A caminhonete era alugada. A empresa Home Depot confirmou a locação do veículo e disse estar colaborando com as autoridades.

Este foi o primeiro ato vinculado ao terrorismo em Nova York desde a explosão de uma bomba artesanal, em setembro de 2016, em Chelsea, que deixou 31 feridos leves. Um afegão de origem americana, Ahmad Khan Rahimi, foi condenado por terrorismo no início deste mês.

Nova York, colocada várias vezes sob alerta de segurança após os atentados de 11 de setembro de 2001, é a capital financeira e do entretenimento nos Estados Unidos, com uma população de 8,5 milhões de habitantes.

Fonte: UOL / Agências Internacionais
Foto: Bebeto Matthews/P Photo

Foto

Notícias Relacionadas